Estudar Química ao som de Metallica só seria melhor se a matéria fosse Cálculo e a bebida no meu copo fosse cerveja – e não Coca-cola.
Doida para que as finais venham logo e eu possa, finalmente, dançar e beber até morrer como comemoração.
Além disso, estou louca para ampliar meu mundo de descobertas – na Engenharia, é claro.

E aí?

Não falar com você não significa que eu não te queira.
Não tomar uma atitude, te passar para os outros, também não significa que eu não te queira.
Não mudar a página não significa que eu não tenha encontrado alguém.
Ter encontrado alguém não significa que eu tenha deixado de te querer…

Navegar é Preciso

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:
“Navegar é preciso; viver não é preciso”.

Quero para mim o espírito [d]esta frase,
transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário; o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.
Só quero torná-la grande,
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo
e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade;
ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

Fernando Pessoa

°°
Aniversário de 123 anos de Fernando Pessoa.

B-day

Então eu acordei, li recadinhos no Facebook, fui à aula. Passei na oficina. Carro com problema. “Volta mais tarde”, disse o mecânico. Vim para casa, almocei, preparei aula, me arrumei. Peguei o carro para ir à oficina. O carro parou durante a descida da Curva do Saldanha. Liguei para o mecânico. “Vou te buscar”. Esperei. Esperei. Esperei mais. O mecânico me ligou. “Estava indo te buscar, mas meu carro parou aqui no HPM”. Esperei mais. Ele veio. Deixei o carro na oficina. Andei até o ponto de ônibus carregando uma porção de livros. Peguei um Transcol. Desci na Ufes. Andei. Estudei até 19h30. Fui pro trabalho. Aula até 21h. Fui jantar. Vim para casa. Champagne. Bolo. Noite mal dormida. Aula às 7h…

Para tudo!
Eu sentei para preparar aula. Anotei o dia da semana e olhei para o calendário do computador para saber a data!!! Oi? É meu aniversário!!! Que tipo de pessoa esquece a data no próprio aniversário?!

o mundo dá voltas

Esta semana eu perdi uma pessoa muito querida. Ok, não perdi para sempre. Posso dizer que tiramos férias forçadas um do outro. E posso dizer que a saudade já me consome. Mas vai ser bom aprender, novamente, a viver sem ele. Tenho que confessar o brilho no olhar neste momento. Te amo, e você sabe disso.
Como de praxe, decidimos beber em seu último dia em Vix. Afinal, nunca é ruim lembrar dos bons momentos, né? Assim, fico para sempre com uma imagem feliz na cabeça – uma boa lembrança. Bom, acabamos migrando para uma outra despedida. De outra pessoa, a qual conheço bem menos.
Chegando a essa segunda despedida encontrei alguém ilustre. Hahahaha. Brincadeirinha. Encontrei um menino com o qual fiz uma excursão de escola na oitava série. E foi bom conversar. E tocar violão. E cantar.  E chegar às quatro da manhã em casa in a school night.
E depois as pessoas não acreditam em mim quando digo que encontro felicidade nas menores coisas…