Can you?

“How can you mend a broken heart?”.
Today I saw this question set as someone’s personal message.
And then I could only think: Can you do it? Is it possible to mend something that has once been shattered?

Advertisements

good times and bad times

No último fim de semana, fui questionada sobre os motivos pelos quais meu blog é tão depressivo. E percebi que, embora aconteçam várias coisas bacanas na minha vida, eu tendo a relatar as coisas tristes. Acho que as coisas tristes me tomam mais tempo de reflexão e, por isso, esse termina por ser o tema do blog.

Eu passei um fim de semana bem diferente, na verdade. Não que eu tenha feito algo especial – eu não fiz. Mas foi diferente porque eu agi diferente da maneira que ajo normalmente. Dormi cedo. E foi um ótimo fim de semana mesmo assim.

Bom, para falar a verdade, a sexta-feira não tinha começado muito bem porque eu ainda estava a sofrer com dores de estômago fortes devido a uma pizza no café da manhã de quarta – sim, de quarta-feira. Mas acabou se redesenhando de uma forma muito agradável. Andei na garupa da moto de um amigo, coisa que adoro. Encontrei pessoas que não via há muito tempo. Distribuí vários sorrisos. E, como Cinderela sabe que deve, voltei para casa por volta de meia-noite. Afinal, ninguém quer virar abóbora, não é mesmo?

O sábado começou com afazeres atrasados na rua, rendeu um vestido novo, se prolongou para um churrasco e terminou com uma amiga e um filme no laptop. Que foi ótimo e só teria sido melhor se eu tivesse conseguido dormir direito. Mas o bom foi saber que meu humor estava bem melhor no domingo.

O domingo… bem, domingo é sempre a mesma coisa chata. Mas eu fiquei feliz de finalmente desmontar a árvore de Natal. Porque é um fato de conhecimento público que as pessoas da minha família não sabem que a data de desfazer a decoração é 06 de janeiro, dia de Reis. E, de qualquer forma, poucas coisas são melhores que finalizar o dia com um delicioso sanduiche do Subway, não é mesmo?

out of time

Ich hab gedacht,
ich kann es schaffen,
es zu lassen,
doch es geht nicht.

Hab’s ‘n bisschen übertrieben,
dich zu lieben,
doch es geht nicht.

Nichts unversucht gelassen,
dich zu hassen,
doch es geht nicht.
Es geht nicht.

°°
Passei o dia ouvindo Juli no carro. Gosto demais dessa música.

Você, hoje, me perguntou como me sinto em relação a você, como estou com você. Acho que esse trechinho representa bem o que se passa pela minha cabeça desde que… bem, desde que houve aquele desentendimento.

Estou adorando me ocupar parcialmente nas férias. Bom que não me canso e não me entedio. Mas queria ir à praia… Se bem que o por do Sol de sábado já foi bem bacana – principalmente porque terminou com tempura. Adorô tempura.

°°

Baby, you’re out of time

desculpa, mas…

Até pensei em escrever um post feliz falando sobre as boas coisas que planejamos por conta da virada do ano, mas nem estou com vontade. Fato é que, além de estar envolvida com o planejamento de um evento que ocorrerá em agosto, sem o resultado da Ufes eu não posso planejar nada de especial para o ano.

Eu me divirto com as resoluções de fim de ano que as pessoas fazem. Sim, sim, eu sei que eu uso determinadas cores durante a virada do ano e etc, mas fica aí. Ontem vieram me pedir desculpas. Desculpas. Sério. Suas resoluções de fim de ano envolvem pedir desculpas? Então faça o favor de, pelo menos, explicitar o motivo. Desculpa por todas as merdas que fiz não conta. Beijos

By the way, me desculpa por te escrotizar no blog, mas é só para ver se você me entende.