a gente inventa

Yesterday I questioned myself – and a friend – how was it possible to feel lonely during carnival. I mean, my family is all around, I have my… uh… affairs… But today I feel a lot like a song from Cazuza. So I’ll share the stanzas I identifyed the most with.

°°

O teu amor é uma mentira
Que a minha vaidade quer
E o meu, poesia de cego
Você não pode ver

[…]

Te ver não é mais tão bacana
Quanto a semana passada
Você nem arrumou a cama
Parece que fugiu de casa

Mas ficou tudo fora de lugar
Café sem açúcar, dança sem par
Você podia ao menos me contar
Uma história romântica

°°
Don’t we do it all the time? I mean, isn’t it cool to fake romances? I’m feeling out of place, out of time.

Se você perguntou…

…é porque você quer saber. Bom, pelo menos é o que eu acho. Porque, convenhamos, perguntar a opinião de alguém sem querer saber de fato a opinião dessa pessoa é tão estúpido quanto dar opinião sem que esta seja pedida. E digo mais, se eu não te perguntei, é porque a sua opinião não me interessa.

Em suma, pensa bem antes de perguntar e mais ainda antes de falar o que não te é perguntado. Fui clara? Beijos

Esperteza…

… é algo que falta – e muito – nos seres humanos. Principalmente em mim. Afinal, o que explicaria, que não a falta de esperteza, o fato de todo semestre eu esquecer de comprar caderno? A história se repete desde os primórdios – quando ainda estudava na Ufes – e acabo tendo que passar a limpo toda a matéria das primeiras semanas. Trabalho em dobro. Só me serve para gastar mais papel e grafite.

Se bem que, analisando bem, eu não tinha o hábito de anotar matéria quando estudava Letras. Normalmente, eu fazia anotações nas infinitas xerox que usávamos como material didático. Usava um caderno por ano – e olhe lá.

Aliás, que saudade da época em que bastava ir à aula e anotar algumas poucas coisas para passar em todas as matérias. Sim, sim, é verdade que virei algumas noites escrevendo trabalhos. Mas foi por pura preguiça de não fazer no tempo certo. Agora na engenharia é que, finalmente, estou aprendendo a estudar. Antes tarde do que nunca, babe.

Eu te avisei: vai à luta!

O ano letivo começou. Sou só eu que morro de saudades da época em que as aulas começavam em março? A boa notícia é: este período está repleto de matérias específicas de engenharia. A má notícia é: este período está repleto de disciplinas específicas do curso de engenharia. Oi? Sim, notícia boa e ruim ao mesmo tempo.

Adoro saber que não precisarei acordar e ouvir um blablablá de sociologia. No entanto, tenho medinho de não dar conta de estudar tudo. Principalmente porque ando preparando aulas cautelosamente – o que me toma bastante tempo. Afinal, “faça bem feito” é um bom lema a se seguir.

Quanto ao carnaval, é aquela coisa, né? Irmãos a caminho da minha amada cidade. Sobrinhas a bordo. E aquela expectativa por comidinhas gostosas da mamãe. Nunca fui muito de ir pra rua no carnaval mesmo, ficar em vitória com as minhas gatinhas vai me fazer bem.

E, ex-namorados, vamos brincar de nos identificar ao colocar recadinhos do amor no blog, ok?

=/

Tudo aquilo que não ocorre da maneira que esperamos, nos magoa.
Na verdade, desta vez tudo aconteceu exatamente da forma que imaginei e para a qual eu havia me preparado.
Fato é que estou chateada mesmo assim.

Vou tomar aquele banho quente que sempre me é receitado.
Quem sabe, com a água que desce pelo ralo, não se vai junto a minha mágoa?