Selva de pedras

E não tem como ler esse título sem ouvir automaticamente uma música dos Titãs.

Neste fim de semana eu estive em São Paulo, a terra da garoa. E estava um sol de rachar e eu derreti todas as vezes em que saí de casa. Inclusive, adorei olhar para o alto e ver aquele céu lindo e azul em meio a tanto cinza. Não, o cinza de São Paulo não me oprime. Eu adoro o ar de cidade grande, cheiro de poluição e a arquitetura estranha dos prédios da Avenina Paulista.

Como ótima turista que eu sou, não sei andar até a esquina no vasto mundo da capital paulista. No entanto, graças ao meu querido Rafa, eu e minha querida Jamine passeamos felizes pela cidade. Tiramos fotos. E até café eu tomei. Starbucks viria a calhar aqui em Vitorinha.

Na sexta à noite, depois de dar um rolé pela Paulista, paramos, os três, num bar para tomar umas brejas antes de voltar para o hotel. E não é que encontrei um menino que estudou comigo no CEFET-ES? Bom, marcamos de nos encontrar novamente mais tarde, né? Três cervejas depois, pagamos a conta e fomos ao hotel ficar chiques para a noite que nos aguardava. Um metrô, ruas erradas e cigarros depois, chegamos ao lindo The Blue Pub. Que é uma graça. E tomei Guiness. E adorei a Guiness. E joguei sinuca e perdi, mas nem liguei. E fui para casa feliz.

No sábado, depois de mais uns passeios pela Av. Paulista, mais café na Starbucks e algumas compras divertidas, fomos ao Lollapalooza – que era o evento mais esperado do fim de semana. Chegando lá, bem… não conseguimos encontrar nenhum dos nossos amiguinhos porque os celulares não funcionavam. Mas assistimos ao show da Band of Horses, que foi bem divertido. Pena que machuquei meu pezinho e tive que ir ao posto médico. O médico, coitado, me fez tomar 40 gotas de Novalgina. Alguém, além da minha mãe, tem noção de como odeio Novalgina? Eu odeio Novalgina. Bom, é óbvio que o problema do pé não se resolveu tão facilmente e foi mancando que fui em direção ao palco assistir ao show do Foo Fighters. Não me perguntem como, mas consegui pular intensamente durante todo o tempo em que estive de frente para o palco. Morri de saudades do meu irmão e curti cada instante. Depois do show, comemos hot pocket na barraquinha da Sadia. Estava uma delícia. Pena que a Coca-Cola era zero  e tinha gosto de aspartame.

Hoje nos demos ao luxo de acordar mais tarde. Arrumamos as malas, pagamos a diária e fomos ao Ibirapuera. Exposição Let’s Rock. Tudo em clima de rock’n’roll, porque, néam? Enfim, adorei a exposição. Pena que meu pé estava tentando me matar e eu morri de dor durante todo o tempo em que estive passeando em meio às fotos e guitarras. Pelo menos a música era boa – muito boa. O caminho para o almoço foi desesperador e o almoço nem foi gostoso, mas a parte importante foi conseguir chegar ao aeroporto a tempo. E beber Heineken no avião é algo realmente delicioso.

Já quero mais. E quero logo. Viajar é bom demais.

Advertisements