UFES 2014/2

Hoje poderia ser apenas mais um dia normal na minha rotina, em que acordei cedo, fui à aula, voltei para casa, fiz meu almoço, comi e voltei para mais uma aula na UFES. Num dia normal, eu sairia da aula e iria para o trabalho, onde lecionaria até às 20h. Hoje, no entanto, isso não aconteceu.

Bom, quem me conhece sabe que eu faço diversas críticas à universidade e ao corpo de professores – principalmente os do Centro Tecnológico. Digo isso, porque eu sou formada por essa mesma universidade em Letras – Inglês e afirmo que problemas como os que ocorrem na Engenharia eram muito mais raros no Departamento de Línguas e Letras.

Me recordo, evidentemente, de professores rígidos, professores que não sabiam o que estavam fazendo, professores mamata e de diversos professores excelentes, que me proporcionaram ser, hoje, professora – e não mais alguém que fala inglês e que dá aulas.

O que eu percebo na Engenharia é que existem alguns professores excelentes, uma infinidade de professores que não tem a menor ideia do que é dar uma aula e mais alguns que não estão preocupados com qualquer coisa e simplesmente aprovam alunos para não terem o trabalho de encontrar com reprovados no semestre seguinte.  Afinal, existe uma escassez absurda de vagas e é uma perturbação liberar matrícula na terceira etapa.

Hoje à tarde eu fui à aula de um professor que eu considero péssimo. Além de falar como se houvesse um ovo quente permanentemente na boca dele – e isso é um problema facilmente resolvível com a ajuda de um fonoaudiólogo, esse mesmo professor humilha alunos em sala de aula, aplica provas baseadas em decoreba de material didático e apresenta postura completamente machista.

Eu tenho muito cuidado ao falar de colegas de profissão, porque meus meros 9 anos de sala de aula não deveriam ser absolutamente nada comparados aos 30 anos do outro. No entanto, eu percebo que, num período muito curto, eu me tornei melhor profissional que alguns dos que me atendem no momento.

Bom, cheguei à aula poucos minutos atrasada e, como não havia lugares vagos no fundo, onde eu geralmente me sento, precisei caminhar por toda a extensão da sala de aula a fim de me sentar numa das carteiras próximas ao quadro. O professor que leciona a disciplina Tecnologia dos Materiais de Construção Mecânica I na UFES possui tamanha aversão à tecnologia que se recusa a permitir que os alunos utilizem sequer calculadoras durante as provas. Calculadora científica: uma ferramente essencial nos cursos ofertados pelo CT. Se o cidadão já é intolerante com calculadoras, imaginem a postura dele com relação ao uso de celulares em sala de aula.

Olha, eu sou professora, mas também sou aluna. 15 anos atrás, os celulares não possuíam 1/3 das funções apresentadas atualmente e, na verdade, não éramos tão requisitados assim. Hoje em dia, os alunos possuem smartphones com todo o tipo de aplicativo das funções mais variadas. Eu fiz um acordo com meus alunos: usem celular nos momentos em que eu não estiver explicando qualquer coisa e em que vocês estiverem desocupados com exercícios. E meus alunos respeitam essa regra sem maiores problemas. Meus alunos são adolescentes do ensino médio.

Enfim, sentei-me numa carteira próxima ao quadro – algo que eu detesto, principalmente durante as aulas dessa disciplina. Coloquei meu celular sobre a mesa, pois eu tinha um compromisso e precisaria sair mais cedo da aula, ou seja, precisava ficar de olho na hora, para que eu não me atrasasse. O professor, em algum momento, me pediu para tirar o celular de cima da mesa. Professor, meu celular está desligado. Coloque-o na bolsa, eu não entendo essa dependência que vocês têm… Professor, não vou colocar meu celular na bolsa, porque eu preciso olhar a hora. Eu não sei como, mas o professor se sentiu completamente ultrajado. Era como se eu tivesse feito uma ofensa pessoal a ele. Me exigiu que me retirasse da sala, abriu a porta e esperou que eu saísse, aos berros, e deixou livre o espaço para outros alunos me acompanharem.

Por sorte, esse mesmo professor ficará afastado durante um ano ocupado com seu pós-doutorado. Então, se eu for aprovada na disciplina dele neste semestre, poderei fazer as próximas duas disciplinas ministradas por ele com outro professor. De qualquer forma, visitei o chefe do departamento e relatei o ocorrido. Pedi que alguma providência fosse tomada – mesmo que uma advertência oral, já que eu não fiz queixa formal. Vamos ver se o professor muda de atitude.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s