estudos

Acho que, levando-se em consideração que eu bebi ontem sem poder e passei o dia morrendo de dor de estômago, posso parar de estudar antes das onze e tentar uma boa noite de sono, né?

Afinal, melhor estudar amanhã descansada. Preciso manter o foco, mas de que adianta sem estar saudável?

Advertisements

eu não gosto de carne vermelha. e daí?

Já que o post desta semana falou sobre tolerância, resolvi me manter no tema. Aos 12 anos de idade, eu desenvolvi um sentimento de nojo incontrolável por carne de boi e, obviamente, decidi parar de comer esse tipo de alimento. Naquela época, meu universo compreendia carne de boi, de frango e mariscos. Não comia carne de porco, porque minha mãe não cozinhava porco, só comia linguiça nos poucos churrascos que frequentava – aliás, eu achava churrasco uma coisa muito estranha.

O tempo passou e as pessoas estranharam a frescura não ter passado junto. Eu costumo dizer que gosto é gosto e a medida que o tempo foi passando, a carne bovina foi me incomodando mais. Por razões que o mundo desconhece, eu decidi morar durante um ano na Alemanha (julho de 2008 a julho de 2009) e, por isso, no início de 2008, eu iniciei um trabalho de reeducação alimentar inserindo outros tipos de carne – que não a branca.

Passado esse período na Europa, que deu muito certo, eu voltei ao Brasil e, com isso, fui deixando de comer carnes vermelhas novamente. Não quis fazer isso, mas eu não sentia necessidade de comer, então não comia. Como eu disse, eu não gosto. Conheço várias pessoas que não comem jiló justamente por não gostar. Qual o problema de não gostar de carne vermelha? Ah! Nem churrasco?! Sério que, na sua cabeça, carne sangrando é menos nojento que carne bem passada? Você tem probleminhas.

Enfim, durante esse tempo, encontrei diversas pessoas incomodadas com meus hábitos alimentares. De uns anos pra cá, comecei a me incomodar também com frango e passei a ser chamada de piscovegetariana – que é um nome horroroso para indicar que eu me alimento de carnes que vêm do mar e de vegetais. As pessoas passaram a se incomodar ainda mais com meus hábitos. Como você come peixe, que é uma carne branca, mas não come frango, que também é carne branca? Queridos, como vocês comem maçã, que é uma fruta, mas não comem tomate, que é outra fruta?

A questão é, no geral, eu não vejo problema nenhum em você comer carnes que eu não como. Você deveria ficar feliz: sobra mais para você – pode ficar com o meu. Eu não gosto de frequentar churrascarias, é um pouco demais para mim. Ok. Existe um ambiente que eu não gosto de frequentar por conta da minha dieta. Apenas um. O problema é que algumas pessoas não respeitam meu gosto. Acham que eu tenho um problema. Se você é uma dessas pessoas, saiba de uma coisa: meu problema é você.

A primeira vez, desde os meus 12 anos, em que eu tive algum problema nutricional por conta da minha alimentação foi este ano. Minha ferritina está baixa, mas não abaixo do limite. Ou seja, realmente, está faltando um pouco de ferro na minha ingestão normal de alimentos. Eu posso fazer reposição de ferro ou posso inserir carne vermelha na minha dieta. Eu posso, quer dizer, não é obrigatório.

Eu até posso te convidar para ir a um lugar onde eu goste de comer salada. Mas saiba: não vai ser a única opção do menu. De resto: não me torrem a paciência. Talvez você, que não come salada, possa ter um problema para digerir seus alimentos. Mas não sou eu que vou dar pitaco na sua alimentação, né?

família tradicional brasileira

Hoje cedo, ao iniciar minha rotina, peguei o celular para checar as mensagens recebidas durante a madrugada. Me surpreendi com uma mensagem recebida num grupo do WhatsApp. Seguem os prints que dei na tela.

01 02

Seres humanos são dotados de sapiência. Homo sapiens. Para quem não conhece o significado:

sa.pi.ên.cia
sf (lat sapientia) 1 Qualidade de sapiente. 2 Sabedoria, erudição. 3 Sabedoria divina. 4 Por antonomásia, o Verbo de Deus. Vossa sapiência: maneira irônica de tratar quem presume de sábio, sem o ser.

Retirado do dicionário Michaelis no site da UOL.

Basicamente, somos homens sabidos. Ou deveríamos ser.

Estou com dificuldade em escrever esse texto, porque o tema me irrita. Me irrita, porque eu realmente acho um absurdo, em 2015, discutir a vida das pessoas. Me irrita, porque eu acho que pessoas felizes não se preocupam com a vida dos outros. Posso concluir, então, que todos que são contra a formação de famílias não tradicionais são infelizes? Acho que seria muito cruel da minha parte.

Eu é que não consigo ficar feliz diante dessa realidade. Não consigo ficar feliz sabendo que existem milhares de criancinhas abandonadas em orfanatos porque a mãe não teve o direito de fazer um aborto (tema para outro dia) e que não poderão ser adotadas por casais que não podem gerar seus próprios filhos, mas que estão nessa vida para dar amor. Não consigo ficar feliz sabendo que existe um grupo da sociedade, que tem direitos, querendo que uma outra parcela, minoria ou não, não tenha os mesmos direitos.

O que essas pessoas pensam? Será que essas pessoas realmente acreditam que dar direitos a LGBTs é o mesmo que tirar direitos de heterossexuais? Ora, até onde eu sei, todo casal heterossexual sempre teve direito estabelecido por lei para constituir sua própria família. Nunca ouvi dizer que LGTBs tivessem a intenção de destruir esse modelo de família. Aliás, nunca nem li nada a esse respeito.

Será que essas pessoas pensam que ser gay é obrigatório? Chego a rir só de pensar numa coisa dessas. Será que essas pessoas acreditam que se os filhos deles tiverem colegas de classe com duas mães – ou dois pais – os filhos deles tornar-se-ão gays? Isso é tão absurdo. Se fosse por essa lógica, todos os cidadãos deste planeta deveriam ser heterossexuais, afinal, todos se originaram de uma união homem-mulher.

Ou será que essas pessoas acreditam que homossexualidade é desvio de caráter? Tenho vontade de fazer as seguintes perguntas: O que uma pessoa gay fez contra você? Alguma pessoa gay te ofendeu pelo simples fato de ser gay? Como se dá essa ofensa? Amar outro ser humano é algo ruim? Onde você aprendeu – ou quem te ensinou – que LGBTs são seres perversos?

Bom, a votação está de fato acontecendo. Cliquem aqui para manifestar a opinião de vocês. Se você é uma pessoa que tem amor ao próximo, permita que a população LGBT tenha o mesmo direito que a população heterossexual. Consideramos justa [quase] toda forma de amor.