Feelings

Nothing more than feelings
Trying to forget my
Feelings of hate

Há tempos eu escrevi neste blog que não gosto de odiar pessoas. Quando odeio alguém, eu odeio com tanta intensidade que minha energia é totalmente consumida. Então, eu faço o possível para não odiar pessoas, mas me chateio. E me chateio com muita intensidade também. E, embora eu não esteja com feelings of hate, eu estou realmente chateada. Triste.

Eu me chateio quando combino coisas e as pessoas não fazem de acordo com o combinado. Tento me convencer de que exijo demais dos outros e me chateio de novo. E fico me chateando. E… bem, preciso pensar em outra coisa.

Feelings, oh oh feelings
You’re not very nice

Advertisements

dicionário ilustrado: dor

Eu me sinto, hoje, como se eu fosse mãe – e não filha. A sensação que tenho é de que eu tenho de ser grown up, enquanto os adultos estão todos tontos andando sem rumo por aí. É como se eu fosse um salva-vidas a tentar buscar da praia alguém que se afoga e a pessoa tentasse se agarrar a pedras a fim de ir cada vez mais para o fundo – e me carregando junto.

Num episódio de 2 broke girls, é falado que uma das meninas é um balão e a outra uma pedra, que impede o balão de He de subir. Eu me deparo, atualmente, com exatamente essa situação. E a pessoa que representa o balão não quer cortar a corda. Como naqueles filmes em que as pessoas estão fazendo uma escalada e ninguém corta a corda e todos caem penhasco abaixo.

Eu cansei de ser carregada consecutivas vezes para baixo. E ainda mais para baixo. E depois de novo. Não me faz bem – me corrói devagar por dentro. O que me deixa ainda mais triste é saber que somos, nesse contexto, em nossa maioria, balões – e há apenas uma pedra. No entanto, só um balão tem a tesoura – e esse balão não quer usá-la.

Eu tentei, de várias formas, trazer olhos àquele que não quer ver – juro que tentei. Mas, agora, abdico de meu posto e jogo os adultos aos leões porque, bem é verdade, eles são adultos e sabem se cuidar sozinhos. E é assim que vai ser.

Eu poderia, sim, como todos os outros, ter fugido – todos fugiram. E eu fiquei. Fiquei porque eu gosto de cuidar daqueles que amo. Quem ama cuida. E eu cuido – para caralho. E agora vou sofrer por não cuidar, porque eu só posso cuidar de quem quer receber cuidados.

lachen

Em uma  cena de  Sex and the City, a Samantha explica para Carrie – que foi deixada no altar, etc etc – que, assim que algo realmente engraçado acontecer, ela irá rir. E, mais tarde no filme, uma cena mega engraçada ocorre. E ela ri. E é impossível não rir. A cena é realmente engraçada.

No fim do ano passado, eu andava meio introspectiva/depressiva por conta de uns pensamentos bobos, mas que trazem à tona coisas que, às vezes, são chatas. E rir estava complicado. E foi extremamente bobo. E eu ri – demais. E foi ótimo.

times are hard

And I don’t really know why.  This time I’m clueless.
Ok. I’m lying. I know exactly why I am sad. But everytime I start telling people how I feel and why, people keep telling me I shouldn’t feel like this.
Hey, let me tell you something: those are my feelings and nobody can control them.

Anyway, gonna take a shower and try to wash away my pain.

=/

Tudo aquilo que não ocorre da maneira que esperamos, nos magoa.
Na verdade, desta vez tudo aconteceu exatamente da forma que imaginei e para a qual eu havia me preparado.
Fato é que estou chateada mesmo assim.

Vou tomar aquele banho quente que sempre me é receitado.
Quem sabe, com a água que desce pelo ralo, não se vai junto a minha mágoa?