insônia

Durante parte da minha adolescência, eu tive o desprazer de sofrer de insônias terríveis, acordando sempre durante a madrugada e isso me deixava muito angustiada. Depois de um tempo, eu comecei a simplesmente passar noites em claro e passei a dormir num horário diferenciado. Essa prática durou algum tempo, mas logo se tornou impraticável devido a minha rotina padrão – que envolvia estar de pé e descansada na aula durante a manhã.

Após um certo tempo, eu percebi que valia a pena dormir mais tarde mesmo, pois meu horário de sono mais saudável era durante o nascer do sol, e passei a compensar meu curto sono da noite com cochilos durante o dia – funcionava muito bem quando a rotina permitia – e permitiu durante toda a faculdade de Letras e durante parte da faculdade de Engenharia.

Hoje eu me pego num momento de dúvida sobre esses meus hábitos, assim, meio diferentes do padrão. Normalmente, quando eu acordo no meio da noite, eu acordo cheia de pique e sem o menor sono. Não foi exatamente o que aconteceu hoje, mas mesmo assim vale a reflexão: se eu não tivesse nada para fazer durante a manhã, eu me colocaria de pé e iria estudar – ou ler um livro, ou escrever um texto, ou colorir, etc; mas como eu tenho de estar na aula às 7h, eu me sinto obrigada a dormir. O problema é: eu não consigo.

Como eu tenho uma dificuldade natural em dormir à noite, eu criei certos hábitos que ensinam ao meu corpo que aquela é a hora de dormir: um banho morno, escovar os dentes, me aproximar da cama, fazer as coisas mais devagar. Obedecer essa rotina não garante uma boa noite de sono, mas facilita todo o processo. Muita gente recomenda uma leitura antes de dormir, dizendo que ler dá sono. Não é uma afirmação totalmente equivocada, pois algumas leituras realmente me trazem sono, mas a maioria dos textos que leio para lazer me deixam mais agitada que sonolenta. Eu gosto de ler, mergulho na leitura e esqueço que tenho que dormir.

Estudar, por outro lado, me dá muito sono – muito sono mesmo. Mas, assim como ensinei ao meu corpo a hora de dormir, ensinei a mim a hora de não dormir – na verdade, ainda ensino. Leitura acadêmica, em geral, é mais monótona e sem surpresas. Não significa que a leitura acadêmica não seja interessante, apenas não é uma escrita feita para despertar emoções no ser humano, o que a torna, sim, provocadora de sono. No entanto, eu não posso estudar para sentir sono, faria uma loucura no meu organismo – principalmente em semanas de prova.

A minha dúvida é: devo alimentar minha sede produtiva da madrugada, mesmo tendo que estar na faculdade às 7h e precisando dar aulas até às 21h30? Ou devo simplesmente rolar na cama indefinidamente até dormir? Será que rolar na cama vai mesmo me fazer dormir?

Desde que eu acordei, eu tentei consertar meu ventilador (estava fazendo um barulho horrível e coloquei óleo de cozinha nele, porque não tem óleo de máquina na minha casa), li uns 5 textos diferentes num blog, brinquei com a Gata e agora estou aqui, escrevendo esse texto. E aí eu me pergunto: não seria melhor se eu tivesse simplesmente sentado para estudar? Eu não sei. Me pergunto também: será que amanhã eu vou ter tempo de repor essas horas de sono perdidas? Mais importante ainda: será que eu vou estar em forma e bem disposta até às 21h30?

Alguns amigos já me perguntaram o porquê de eu não tomar nenhum tipo de relaxante para dormir. Primeiro, eu jamais tomaria qualquer medicamento desse tipo sem fortes recomendações médicas. Segundo, eu tenho resistência em relação à esse tipo de conduta. Por fim, em alguns países mais desenvolvidos, rotinas diferenciadas são respeitadas e foram criadas, portanto, novas rotinas de estudo e trabalho em horários fora do padrão; será que eu estou vivendo de acordo com as necessidades do meu corpo? Será que eu estou respeitando o meu corpo?

Enfim, não sei o que fazer. Só sei que dormir não será fácil. Bom, como tenho que aproveitar esse tempo para alguma coisa, eu vou iniciar uma leitura aqui – sem relação com estudo.

Advertisements

insomnia

Well, I gotta have a thousand posts with that title – it happens. It happens a lot, actually. Nowadays, it hasn’t happened as much as it did when I was younger. Well… I used to stay up until 5 AM or something – it was easier to sleep at dawn – it is still easy. But since I started studying engineering, I also started waking up early, around 6 or 7 AM, and staying up until the sun started to shine wasn’t a good idea anymore. Well, I would have to grow up at some point in my life and it started when I was 25 and decided to become an engineer – ok, I decided before that, but that’s when the thing became true.

I sometimes find myself desperate, for I want to get done with and rid of it, I don’t know, yesterday. I keep joking about the time I am gonna be an engineer already – and rich. I am gonna be rich. That’s not why I decided to go to college again, but that’s what I am supposed to do with my life. I mean, that’s what everybody wants – or most people. Wouldn’t it be nice to be able to have whatever you want without having to worry about money and stuff like that? It would. There’s also the part in which you look at the things you have and you know you got it with you own hard work.

Usually I wake up this early, because I went to bed even earlier and I have already slept my eight hours – it’s not what’s happened today. I have absolutely no idea why the hell I am up so soon. And, believe me, my bed is much more comfortable than the chair I am sited on. Since I have nothing to do, I started thinking of my life and my behaviour and the universe and everything else… I am happy – happy people were supposed to sleep well, I think. Ok, I know I don’t have everything in the place I wanted, but who does? And… the pursuit of it shouldn’t make me happy anyway? It does. It really does. So, I am gonna believe I had a little too much caffeine for the day and that’s the reason why I can’t sleep.

insomnia

Acordar às três da manhã sem um pingo de sono é algo rotineiro na minha vida. Juro. Acontece com uma frequência absurda. Só que, poxa, acordar às 3:00 AM sem internet, sem 3G, sem ter para quem ligar e sem a menor disposição de levantar, acender a luz e ler um livro é muito castigo para uma pessoa só. Tive que passar as próximas duas horas pensando no nada e buscando formas de sentir sono. Foi horrível. Cheguei a alucinar que estava chovendo. Um absurdo.

papel, lápis e borracha

Eu odeio pauta azul. Só compro caderno de pauta cinza. Talvez tenha alguma relação com escrever apenas de lápis. Não escrevo à caneta.
Certa vez me disseram “escrevo à caneta para não correr o risco de querer voltar atrás”. Talvez não faça diferença para mim: escrevo com tanta força, que machuco o papel – fica marcado para sempre.

Minhas aulas começaram hoje e, como sempre, eu estava sem caderno. Não sei precisar o motivo, mas tenho uma tendência incrível a esquecer de comprar caderno antes do início das aulas. Fui à papelaria. Me indispus. Por que raios é tão difícil encontrar um caderno bonito e de pautas cinza? Não sei. Continuo sem caderno. Terei de ir a outra papelaria.

Além disso, a faculdade vem me impedindo o sono. Tenho tido insônias terríveis. Odeio ser injustiçada. Ninguém gosta, eu sei, mas… enfim. É isso.

Pointless.

People say that if you don’t sleep at night, you sleep during the day. I say that if you don’t sleep at night, you’ll probably not feel hungry during the day, you’ll probably won’t leave the house and you’re life is probably a mess.